segunda-feira, 20 de abril de 2009

Continuação...Violência Velada 6

Qual seria o limite de compreensão?
Com certeza um relacionamento não acaba na primeira briga, até aí tudo bem, o problema é quando a relação não termina no primeiro tapa, grito, ofensa e etc.

O limite da compreensão deve estar no momento em que você percebe a falta de RESPEITO.

Muitas pessoas confundem agressividade com sinceridade. Ai..Ai!
Sinceridade não é falta de educação, elegância e respeito.
E agressividade nunca foi sinônimo de sinceridade e autenticidade.

Em algum momento na vida podemos explodir, estressados, no limite da paciência, pressionados por vários fatores de um árduo cotidiano. E a compreensão neste momento é como um acalento ao nosso estado emocional.
O problema está quando isso se torna um vício e uma forma de usar os outros como escape.

É triste ouvir uma mulher dizer: “Quando ele se acalma, depois de quebrar os pratos, vou lá e converso com ele. Ele é muito nervoso e se falar na hora do ataque dele é pior, acaba sobrando pras crianças.” Em especial quando esta mulher é uma senhora dependente financeiramente, que dedicou sua vida à família e viveu na esperança dele um dia mudar.

Uma vez eu estava na sala de espera de um cardiologista onde estavam 4 mulheres, estávamos conversando sobre coisas da vida, quando entrou um casal de senhores. Continuamos o papo e a senhora que estava com seu marido ao lado deu sua opinião, ele apertou a perna dela e disse com voz baixa, mas todas ouvimos: “Cala a boca, não se mete.” Nos entreolhamos assustadas com aquele ato agressivo de repressão. Esta mulher calou-se imediatamente num ato habitual de obediência.
Esta senhora tinha uns 65 anos mais ou menos. Meu Deus! Quantos anos esta mulher suportou este ditador? Por quanto tempo ela reprimiu suas idéias e desejos? Onde ficaram seus sonhos, suas vontades, suas alegrias?
Não posso chamar isso de amor e sim de medo!
Um medo nascido na complexidade de sua infância e refletida por toda a sua vida.

A questão agora é: Porque você se permite passar por estes abusos?
E não falo aqui só dos homens estúpidos, falo também dos que agridem com um silêncio proposital e usado como tortura psicológica.

Seja por medo, por baixa de autoestima, insegurança e tantos outros sentimentos, o fato é: Algo em você está em desequilíbrio e isso não é de agora.
Tenha certeza de que em algum momento na formação de sua personalidade algo aconteceu e criou a razão pela qual você aceita esta condição de vida.

O que quero dizer é que assim como algo está errado com o agressivo, algo também está errado com quem se permite ser agredido.

É necessário descobrir o ponto onde tudo começou, abrir a gaveta do inconsciente e mexer no que, mesmo já mofado, está em pauta em seu comportamento.

7 comentários:

  1. Só um médico ou psicólogo para avaliar isso. A Astrologia traz uma idéia tb, daí devemos encaminhar para os profissioanis habilitados para ajudar a pessoa.
    Sempre tem algo dentro de nós que mostra até a origem deste tipo de desequilíbrio, até temos sinais que não percebemos em nós mesmos até que se manifestem de alguma forma na ação ou reação de uma vida afetiva ou familiar.
    Beijosssssssss

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. ADOREI SEU BLOG!
    TB SOU ASTRÓLOGO! Sou do Rio.
    Visita meu blog tb e deixa um cadastro lá!
    http://panoramaastrologico.blogspot.com/
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. Olá prima!
    Mais uma vez estou lhe visitando. Gostei da postagem. Fui criado dentro do machismo brasileiro, no entanto, não tive o exemplo de violência deste tipo dentro de casa. Tenho lutado intimamente com o pouco que restou para me tornar um homem melhor. Mas, para nós homens, lidar com ensinamentos comportamentais que recebemos não só dos nossos familiares, como do nosso entorno é difícil. Uma conquista a cada dia. De qualquer forma não sou a favor de nenhuma espécie de violência seja ela contra quem quer que seja, principalmente contra a mulher. Devemos nos respeitar mutuamente e nos solidarizar um com outro afim do bom convívio. Quando lhe for possível visite o meu blog:

    www.folhadepapiro.blogspot.com

    Aguarde a mensagem de Natal!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. BOM DIA, tenho 60 anos e estou há cerca de 6 meses num novo relacionamento, porém algo está esquisito, não há violência física, nem xingamentos, porém estou me sentindo presa, é como se eu estivesse numa prisão sozinha, não tenho contato com ninguém pq não conheço ninguém onde vim morar, só que começei um relacionamento com a vizinha e ele reclamou. Teria muito o que falar, mas estou entendendo que estou vivendo uma violência velada.

    ResponderExcluir
  6. Mariana.
    Perdão pela demora de uma resposta, estive sem entrar no blog por motivos diversos.
    O que você sente é muito comum quando a mulher fecha seu universo apenas no marido e ele, de alguma forma, provoca isso. Para ele é confortável ter você isolada, tanto que não gostou de seu contato com a vizinha.
    Ele deve ser bem inseguro e tem medo que você seja influenciada por alguém, que alguém mostre que você não está feliz.
    Lute contra isso, pois com o passar do tempo fica mais e mais difícil você recuperar sua filosofia de vida, sua Lenda Pessoal. Retome seus desejos de vida, seus sonhos e objetivos.
    Ele não é um herói e mesmo que nao seja grosseiro ou violento em palavras, de alguma forma, ele agride seu universo. Estar, de alguma forma, sob o domínio dele é permitir que sua vida entre num vazio que, nem ele, poderá ocupar.
    Lute por você amiga, não se deixe violentar em seus sonhos.
    Você foi criada por Deus, você não pode ser destruída"
    Beijosssssssssssss

    ResponderExcluir